Sandro Louco é absolvido em caso de tráfico de drogas.

Vitória Lopes

vitoria@gazetadigital.com.br

Sandro da Silva Rabelo, conhecido por “Sandro Louco”, foi absolvido de uma de suas condenações por tráfico de drogas, pelo juiz Francisco Alexandre Ferreira Mendes Neto, da Décima Terceira Vara Criminal. Ele é apontado como um dos principais líderes da facção criminosa Comando Vermelho e latrocida condenado.

A absolvição é do dia 12 de novembro de 2019. Sandro Louco tem, pelo menos, 15 condenações por crimes contra o patrimônio e dois assassinatos. Somadas, as penas passam de 200 anos de prisão.

Leia também – Silval, ex-secretários e deputado vão responder por desvio de R$ 5,4 milhões

De acordo com a decisão, além de Sandro Louco, Lauriane Cristinne Moreira de Amorim também foi absolvida. Ela, junto com a companheira do líder do Comando Vermelho, Thaisa Souza de Almeida, traficavam drogas enquanto Sandro estava na cadeia.

No entanto, Thaisa foi a única condenada, sentenciada com pena definitiva em cinco anos de reclusão no regime prisional semiaberto.

Sandro Louco passou 3 anos preso no sistema penitenciário federal no Paraná. Ele foi transferido para Mato Grosso em maio do ano passado.

O caso
Sua primeira prisão, ainda em Mato Grosso, foi em 2000, após assaltar um banco em Várzea Grande. Durante o período de reclusão ele conseguiu fugir pelo menos 4 vezes e chegou a liderar uma rebelião em Água Boa (730 km a Leste).

Ele possui diversas condenações, por crimes como latrocínio, roubo a banco, homicídio, sequestro e formação de quadrilha, com penas que ultrapassam os 200 anos de reclusão. Sandro também foi o primeiro réu a participar de um júri popular por videoconferência em Mato Grosso, em 2017, quando já estava preso no Paraná.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *