Barbudo nega traição a Jair Bolsonaro em guerra do PSL .

Thiago Andrade

thiago@gazetadigital.com.br

Otmar de Oliveira

Otmar de Oliveira

O presidente regional do PSL, deputado federal Nelson Barbudo, nega que tenha traído o presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante a disputa interna pelo comando do partido. Barbudo revela que durante a crise do partido teria aconselhado o atual líder da bancada do PSL da Câmara, deputado Eduardo Bolsonaro, sobre o perigo das ações dos ‘bolsonaristas’ para o governo. 

Barbudo foi o entrevistado desta segunda-feira (21) do Jornal do Meio-Dia, da TV Vila Real, canal 10.1. Já no começo da entrevista, o deputado disse que aconselhou Eduardo, que ele tinha idade para ser seu filho, e que tirar o deputado Delegado Waldir (PSL-GO) seria prejudicial ao governo do pai de Eduardo, o presidente Jair Bolsonaro. 

Leia também – Só com Fethab, MT precisa de 50 anos para arrumar estradas e pontes

“(Disse a ele), você Eduardo pediu para a bancada interia coloca-lo (como líder). Isso (retirar o deputado da liderança) vai levar a uma crise, um furacão que você não tem noção”, contou o deputado. 

O deputado não negou e nem afirmou que a crise dentro do PSL tenha origem na fala do presidente que disse semanas atrás para que um pré-candidato esquecer do partido e na mesma fala afirmou que o presidente da legenda, Luciano Bivar, estava queimado por conta do caso conhecido como laranjal do PSL, esquema de candidatura feminina fantasma.

“Dizem que o começo da crise foi essa declaração de Bolsonaro”, se limitou a dizer o deputado. 

Foi traição?

Questionado por telespctador sobre o que classificou de traição a Bolsonaro, o parlamentar disse que assinou a lista de permanência do Delegado Waldir como líder contra a investida de Eduardo Bolsonaro por ser leal ao presidente desde o início. Barbudo disse que o presidente e o filho dele pediram para colocar o Delegado Waldir como líder e que esse mandato vai até 31 de dezembro de 2019. Só então, Barbudo disse que vai assinar lista para mudar de líder.

“Mandaram eu votar no Waldir, o Eduardo e o Bolsonaro (pai), daí nos 49 minutos de jogo vem todo mundo dizer ‘vamos derrubar’. Aliás, isso começou quando o deputado Princípe Philipe (Luiz Philippe de Orléans e Bragança -PSL), veio com uma lista para eu assinar para derrubar o Bivar, eu disse não assino e fiz um vídeo de que não participo de lista para derrubar o presidente de um partido, nem de um lado e nem do outro”, destacou. 

Após o episódio, Barbudo diz que o grupo denominados de ‘bolsonaristas’ acreditam que o deputado não é de confiança do presidente. Segundo ele, Bolsonaro e o filho Eduardo estão sendo iludidos por esse grupo de pouco mais de 20 deputados que querem o comando do partido. 

“Eu sou sozinho aqui em Mato Grosso e estou apanhando sem saber o motivo”, destacou o deputado. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *