Motoristas de MT vão economizar até 15% com novas regras da CNH.

Vitória Lopes

vitoria@gazetadigital.com.br

João Vieira/Reprodução

João Vieira/Reprodução

Começaram a valer desde segunda-feira (16) as novas mudanças previstas pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) para quem for tirar carteira de motorista, tanto para moto quanto para carro. A principal mudança é as aulas no simulador de direção, que não são mais obrigatórias.

A mudança prevista pelo Contran começou a ser discutida em julho deste ano. O presidente Jair Bolsonaro (PSL) contestou a necessidade de aulas obrigatórias para obtenção do direito de dirigir. Em uma live em seu perfil no Facebook, ele disse que “não tem que cursar autoescola para conseguir carteira de motorista, basta uma prova prática e outra teórica”.

Leia também – Mato Grosso tem 28 municípios com alto índice de incêndios

Os motoristas mato-grossenses que tirarem carteira a partir de agora terão mais facilidades durante o processo, visto que antes o treinamento com simulador era obrigatório. Confira as mudanças:

Simulador

De acordo com o presidente do Sindicato das Autoescolas de Mato Grosso, Misseias Arruda, o processo para tirar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) ficará mais barato em uma faixa de 10% a 15%.

As novas regras reduziram também a quantidade de aulas, que antes eram 20 aulas práticas para a categoria B (apenas carro), mas com as aulas obrigatórias do simulador, subiram para 25. Já na A (carro e moto), serão necessárias pelo menos 15 horas de aula.

Outra mudança vigente, que o Sindicato buscava desde 2016, era o uso de telemetria. “A telemetria é o controle das aulas, com a filmagem. Por exemplo, hoje quando você for procurar uma autoescola pra tirar sua carteira, você vai ter mais segurança”, explica. “Já foi implantada e está funcionando em Cuiabá, para dar uma melhor transparência em nosso trabalho”.

Com a revogação das aulas do simulador, Arruda aponta que o impacto causado nas autoescolas, de certa forma, não será tão negativo. Algumas aderiram por conta da obrigatoriedade e cada aparelho custava cerca de R$ 45 mil. Todas as mais de 400 autoescolas no estado usavam a máquina.

“Muita gente comprou, mas a maioria foi comodatos, que é quando a pessoa pega o equipamento, paga tipo um aluguel e trabalha com ele, sem compromisso”, disse. “Essas mudanças vão ter um impacto, como está tendo. Referente ao simulador, a grande maioria já não aceitava, fazia mesmo porque era obrigatório”.

Veículos ciclomotor – “cinquentinha”

Os motociclistas que quiserem pilotar as “cinquentinhas” poderão fazer as provas teórica e prática sem fazer aulas. Essa mudança, entretanto, não é avaliada positivamente pelo presidente do sindicato.

Segundo ele, as aulas teóricas são fundamentais, pois são nelas que condutores aprendem segurança e regras de trânsito.
“A pessoa que tem uma cinquentinha epode ir ao Detran, marcar e fazer a prova. Mas essa é uma maneira que vemos como perigosa. Houve essa mudança, mas a pessoa não tem nenhuma experiência, ela não vê um curso teórico, e o curso teórico mostra muita coisa que tem que ter”, avalia.

“Do jeito que foi mudado agora, se você tem uma cinquentinha, você vai lá, faz a prova e só vai procurar uma autoescola se reprovar, mas o perigo continua o mesmo”, pondera.

Detran

A reportagem entrou em contato com o Detran, mas não obteve resposta até o fechamento desta matéria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *