Abandono e desrespeito marcam terceira idade

Sobral. Após todo amor e carinho que dedicaram pelos filhos, muitos idosos recebem em troca abandono e maus-tratos num momento de fragilidade física e mental que é a velhice. Deixados pela família em abrigos, a maioria não recebe visitas nem mesmo nas datas especiais, como Dia dos Pais e Dia das Mães. “Esse é maior problema. Se eu dissesse que era comida, estaria mentindo. O que eles sentem falta mesmo é de visita”, disse Luiz Geraldo de Sousa, mais conhecido como Luiz Carcará, que por muito tempo administrou a Casa Bom Samaritano.

Criada há mais de 33 anos, a casa acolhe idosos que foram completamente abandonados pela família. Lá eles contam com atendimento médico e seis enfermeiras que se revezam 24 horas. “Por mais bem intencionada que esteja à família, jamais poderá oferecer estrutura capaz de suprir as necessidades desses idosos. Além disso, tem idosos que moram no abrigo há mais de 18 anos”, destaca Luiz.

Esquecimento

Na Casa Bom Samaritano existem atualmente 32 idosos recolhidos, entre homens e mulheres. Entre eles está dona Raimunda Marcelina, de 73 anos, a “Princesa”, como é chamada. Ela acorda cedo e, por volta das 6 horas, está toda arrumada, maquiada e perfumada.

O sorriso fácil da idosa esconde no rosto o sofrimento que teve durante toda a vida: aos 13 anos foi violentada. Mais tarde foi marginalizada, só conseguindo se casar com um viúvo que era alcoólatra e que a obrigava e beber, tornando-a alcoólatra também. Teve oito filhos e nunca recebeu a visita de nenhum deles. Neste abrigo, existem seis pessoas que não se locomovem mais. Para se alimentar e fazer a higiene, só contando com a ajuda das auxiliares.

Para tentar amenizar o sofrimento dessas pessoas com idade a cima de 60 anos, a Diocese de Sobral criou recentemente a Pastoral da Pessoa Idosa, vinculada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), referência do envolvimento da Igreja no âmbito social.

A Pastoral da Pessoa Idosa tem por objetivo a melhoria da qualidade de vida da terceira idade em seu contexto familiar e social, sem qualquer distinção de raça, cor, profissão, nacionalidade, sexo, credo religioso ou político. Entre as várias atividades implementadas, as ações procuram beneficiar o desenvolvimento físico, mental, social, espiritual, cognitivo e cultural dos idosos.

Índices preocupantes

Mas os números da violência contra a pessoa idosa têm crescido neste município se comparados com os anos de 2007 e 2008. De acordo com o Centro de Referências Especializadas da Assistência Social (Creas), em 2007 foram 293 casos registrados de violência contra idoso. No ano seguinte, os números saltaram para 472 casos. E este ano, somente no primeiro semestre, foram mais de 300 denúncias.

De acordo com o Creas, a maior parte das vítimas são mulheres e a violência mais aplicada é psicológica, em que o idoso é atormentado pelos seus agressores. Segundo dados levantados pelo Conselho do Idoso neste município, a maior parte dos casos é intrafamiliar, ou seja, dentro da casa onde o idoso vive. Atualmente, todos os casos de violência contra idoso são encaminhados para o Creas.

Para tentar amenizar o quadro de violência contra o idoso, a Prefeitura, através da Fundação de Ação Social, desenvolve o programa “Envelhecer com Cidadania”, que tem como propósito a promoção de ações intersetoriais que visem assegurar os direitos sociais da pessoa idosa, criando condições para desenvolver o fortalecimento dos direitos de cidadania, de saúde, de práticas associativas e promocionais, de forma a fortalecer a auto-estima, a convivência na família e na comunidade.

Mais informações

Fundação de Ação Social

Rua Viriato de Medeiros, 1250

(88) 3677 1100

Sobral-CE

Fonte: Diário do Nordeste – 21/09/2009. Disponível Aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *