Natureza, diversão e adrenalina

Fazer trilha de moto é muito mais do que só um esporte ou hobby radical. A atividade une os praticantes com a natureza, que, na maioria das vezes, serve como caminho e até destino final. Para entender um pouco de estilo de vida dos trilheiros, conversamos com dois praticantes do esporte.

O gaúcho Junior Kolling tem 26 anos e é sócio de uma empresa que organiza passeios off-road pela turística região de Gramado e Canela (RS). Ele afirma que além da diversão, um dos diferenciais é a proximidade com árvores, animais e outros atrativos naturais.

“Eu curto muito mais a trilha pelo fato de estar no meio da natureza, apesar de praticar com mais frequência corridas off-road. É um diferencial muito grande você estar no meio do mato, curtindo o passeio na maior tranquilidade e paz. Sentir aquele ar puro, típico desses locais, se divertindo em cima da moto não tem preço”, conta.

O empresário contou que começou no esporte por influência do seu pai e do seu padrinho, que já praticavam motocross. Segundo ele, há um crescimento bastante expressivo de famílias que participam do passeio.

O relato corrobora com o de José Luiz Terwak, paulistano de 64 anos. Praticante de trilhas com motos off-road há mais de 20 anos, ele conta que contaminou amigos e até o filho. “Com o tempo e falando bem, trouxe alguns amigos para se divertirem comigo. Mais recentemente meu filho também começou a pegar a minha moto e explorar um pouco do esporte”, afirma ele.

Zé Luiz, como prefere ser chamado, é um ex-executivo de multinacional, que agora se aposentou e virou empresário. De acordo com ele, a prática off-road vai muito além de um mero hobby. “Andar no off-road exige persistência, perseverança, concentração, trabalho em equipe e resiliência para conseguir superar os obstáculos na trilha. Mais do que diversão, ajuda tanto na vida pessoal quanto na profissional”, disse.

Tanto Zé Luiz quanto Junior fazem suas trilhas com a Honda CRF 250F. Para eles, a moto surpreende pela robustez e resistência, visto que o uso no off-road é severo. Nesse quesito, um dos trunfos do modelo é usar o mesmo motor da CB Twister. Além dos 22,2cv de potência para superar os obstáculos, a manutenção é mais em conta do que de modelos exclusivos de pista. A ciclística, outro ponto positivo citado pelos motociclistas, se dá pela boa posição de pilotagem e facilidade de uso, principalmente para quem está começando no esporte.

A importância de andar sempre equipado para evitar acidentes não foi esquecida pelos dois trilheiros. “Andar em trilhas dá disciplina para estar sempre equipado: capacete, óculos de proteção, luvas, cotoveleiras, joelheiras e roupas apropriadas são obrigatórias para evitar acidentes. Essa importância pela segurança acaba se refletindo também durante trajetos urbanos”, afirmou Zé Luiz.

Junior aproveitou para deixar um recado aos que pretendem começar se aventurar no off-road com uma CRF 250F. “Para os iniciantes, é primordial que procurem alguém especializado para aprender os segredos da pilotagem off-road, que não tem nada a ver com a do asfalto. Busquem grupos com experiência ou empresas focadas nesse segmento para não correr riscos. No off-road, a primeira impressão é a que fica. Busque ter uma experiência boa para não desgostar rápido do esporte”, completou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *